Significado de Tecnocracia

O que é Tecnocracia:

A tecnocracia é uma ideologia política onde A tomada de decisão de um Estado é feita por técnicos e especialistas em questões de consulta em vez de políticos.

A palavra tecnocracia deriva do grego composto pelas palavras techne o que significa arte ou técnica e kratos o que indica domínio ou poder. Nesse sentido, a tecnocracia pode ser definida como “governo daqueles com habilidades”, o que implica um sistema no qual as posições governamentais são preenchidas por especialistas de diferentes disciplinas dentro de ministérios ou gabinetes..

A tecnocracia é uma forma de governo que se concentra na racionalidade absoluta das decisões. Dessa forma, a tecnocracia só pode ser praticada se a política for analisada e estudada por grupos de especialistas externos à política..

Nesse sentido, em uma tecnocracia, o Estado é governado e dirigido por tecnocratas.. Os tecnocratas eles se tornam especialistas em trajetórias em setores privados que usam seu conhecimento de mercado para tomar decisões governamentais.

Recursos de tecnocracia

A tecnocracia é caracterizada pela substituição de carreiras políticas por especialistas em áreas públicas que não são eleitas democraticamente e cujas decisões se baseiam principalmente no desempenho econômico.

Por um lado, a tecnocracia apresenta como uma vantagem imparcialidade na análise e tomada de decisão sobre questões complexas do Estado, levando em consideração os bons resultados obtidos no setor privado.

Por outro lado, a tecnocracia apresenta como uma desvantagem a eliminação de eleições democráticas e variáveis ​​sociais nos assuntos estatais, tornando o governo uma administração de empresas.

Veja também:

  • Governo
  • Democracia

Exemplos de tecnocracias

As tecnocracias no mundo foram implementadas em gabinetes administrativos de governos com ênfase na economia e em estados em crise econômica por curtos períodos de tempo.

Nesse sentido, exemplos de tecnocracias no mundo são os gabinetes dos presidentes mexicanos Carlos Salinas de Gortari e Ernesto Zedillo entre 1988 e 2000 e os governos temporários de 2011 por Mario Monti (Itália) e Lucas Papademos (Grécia).