Teoria da Relatividade - Definição, Conceito e O que é

Quando falamos de relatividade, estamos realmente falando de duas teorias: a teoria da relatividade geral e a teoria da relatividade especial. Ambos foram apresentados pelo cientista Albert Einstein no início do século XX. Como qualquer nova explicação, isso também surgiu de uma pergunta que não encontrou resposta: como combinar o eletromagnetismo formulado pela mecânica de Maxwell e Newtoniana.

As duas teorias da relatividade lançaram os fundamentos da física moderna e, graças a elas, pudemos entender melhor o funcionamento do universo, bem como a estrutura do espaço e do tempo.

Ao contrário do que se poderia pensar, Einstein não recebeu o Prêmio Nobel por relatividade, mas pelo efeito fotoelétrico, um experimento que demonstrou por que a luz podia extrair elétrons de um metal.

Relatividade geral

Sua principal contribuição foi a correlação da gravidade e as dimensões do espaço-tempo

Essa correlação pode ser explicada pela tendência de manter um estado de movimento, algo que ocorre quando um elevador acelera ou desacelera devido à força da inércia.

Segundo essa teoria, espaço e tempo estão intimamente relacionados. A estrutura de ambos é dinâmica e não estática, como se acreditava anteriormente. Dessa maneira, o espaço-tempo pode ser deformado de acordo com a velocidade aplicada. Essa nova idéia é exatamente o que sustenta o conceito de relatividade.

Em resumo, a teoria da relatividade geral explica que a curvatura do espaço-tempo é determinada pela quantidade e tipo de energia que é incluída no espaço-tempo. Por sua vez, a curvatura do espaço-tempo afeta a maneira como a energia flui no espaço.

Relatividade Especial

Essa teoria surgiu após duas perguntas fundamentais: o que aconteceria se um objeto corresse na mesma velocidade da luz? e a luz ficaria parada ou mais lenta?

Para responder a essas perguntas, Einstein apresentou quatro premissas principais:

1) Dependendo da velocidade de um objeto, sua massa aumenta. Assim, a velocidade da luz não pode ser excedida, pois, aumentando a velocidade do objeto, a energia deve ser aumentada proporcionalmente para mover mais massa, até atingir o ponto de necessidade de energia infinita..

2) Tempo e espaço se expandem. Dessa forma, para que a velocidade da luz seja a mesma, se você a vê em pé ou se aproximando dela, o espaço-tempo precisa ser atrasado em relação à velocidade.

3) O tempo não é absoluto e não há simultaneidade. Tudo é relativo aos olhos do observador que o percebe. O que pode parecer um segundo para alguém pode parecer um ano para outra pessoa se sua massa e velocidade gravitacionais variarem.

4) Massa é uma forma de energia. Energia é igual a massa por aceleração ao quadrado.

Fotos: Fotolia - Amargo / Matiasdelcarmine