Significado do símbolo

O que é o símbolo:

Um símbolo é uma representação sensível e não verbal de uma idéia complexa, e que resulta de um processo de assimilação e síntese dessa idéia em uma cultura. Essa representação sensível pode ser um elemento gráfico, visual, auditivo ou figurativo. Portanto, um símbolo surge de um processo de convencionalização de um conceito e como expressá-lo diferentemente da linguagem verbal.

A palavra deriva do termo latino simbŏlum, e isso vem do grego σύμβολον (simbolo). É formado a partir da raiz sem, que significa 'com', 'juntos' ou 'unidos' e de ballein, O que significa 'throw'? Portanto, em um sentido etimológico, um símbolo é aquele que é lançado para unir.

Isso significa que ao redor de um símbolo existe uma convenção social que permite que todos os atores dêem o mesmo significado ao símbolo.

Em sentido figurado, diz-se que quando uma pessoa consolida grande influência no ambiente social, ela se torna um símbolo. Por exemplo: "A cantora Madonna é um símbolo da feminilidade moderna", frase atribuída à designer Donatella Versace.

Função de símbolo

Os símbolos têm a função de transmitir significados complexos ou abstratos, cuja densidade é difícil de resumir na linguagem cotidiana. Por exemplo, sentimentos, valores religiosos, valores sociais, valores numéricos, culturas, nacionalidades, ideologias, perigo e antivalores, entre outros.

Eles não explicam os conceitos como a linguagem, mas permitem que esses conceitos sejam comunicáveis ​​e compreensíveis, pois não operam no nível lógico, mas inconscientes e subconscientes..

Portanto, os símbolos permitem mediar entre o visível e o invisível, o concreto e o abstrato. O símbolo também possui força unificadora, ou seja, consegue sintetizar diferentes níveis de significância em um único elemento..

Por facilitarem os processos de compreensão da realidade, os símbolos têm uma importância educacional e até terapêutica.

Finalmente, entender o símbolo permite que o indivíduo se reconheça como pertencente a um grupo sociocultural..

Características dos símbolos

  • Eles fazem parte da maneira humana de existir;
  • Eles são representativos;
  • Eles são indivisíveis;
  • Eles são coletivos, não individuais;
  • Eles também têm uma vocação estética;
  • Eles são perceptíveis no nível subconsciente ou inconsciente;
  • São significativos.
  • A eficácia de um símbolo depende da validade de seu uso e significado em uma determinada cultura. É por isso que é possível:
    • que a origem de um símbolo seja esquecida, mas continue carregando o significado do conceito (por exemplo, o símbolo da medicina);
    • que o significado do símbolo seja transformado devido a uma mudança nas condições históricas (por exemplo, a suástica).

Tipos de símbolos

Existem tantos tipos de símbolos quanto expressões culturais e esferas sociais de interação. Assim, os símbolos podem ser classificados de acordo com seu estilo, função ou escopo de circulação. Podemos mencionar aqui alguns dos símbolos mais difundidos que encontramos na cultura ocidental.

Símbolos gráficos

Com símbolos gráficos, queremos dizer os caracteres que representam sons ou idéias, dependendo do tipo de escrita. No caso dos alfabetos, cada caractere representa um som.

Existem outros tipos de escritos nos quais cada personagem representa conceitos. Por exemplo, números, pictogramas, hieróglifos, ideogramas etc..

Símbolos científicos

É uma série de representações gráficas de noções científicas que descrevem operações, abstrações, conceitos, materiais, etc. Por exemplo, símbolos internacionais de sistemas de medição (W, ºC, ºF, Hz), símbolos de biologia (♀, ♂, RH-, RH +), símbolos geométricos (º, π), símbolos matemáticos (+, -, ÷, x).

Um exemplo muito claro são os símbolos químicos. Eles são compostos de letras e números usados ​​para representar elementos químicos. Por exemplo, H₂O é a representação da composição química da água, composta por duas moléculas de hidrogênio (H) e uma de oxigênio (O).

Veja também Símbolo de medicina.

Símbolos religiosos

É sobre todo o universo de símbolos, que variam de acordo com a confissão. Eles servem para identificar cada comunidade religiosa, bem como para comunicar conceitos complexos e facilitar a experiência espiritual.

No cristianismo, a cruz latina, o peixe, a pomba, o crismón ou monograma de Cristo (XP), o monograma da Virgem Maria (MA) etc. são símbolos comuns..

No judaísmo, a estrela de Davi, a menorá (candelabros de sete braços), os kipá que os homens usam etc. são essenciais.

No Islã, o símbolo do crescente, a bandeira da jihad e a estrela de oito pontas ou a estrela de Salomão são essenciais, entre outros.

Veja também 8 símbolos da Semana Santa.

Símbolos nacionais ou símbolos nacionais

Refere-se ao repertório de sinais visuais ou auditivos que expressam o conceito e os valores de uma nação em particular. Entre eles estão principalmente bandeiras, hinos e escudos.

Símbolos de marcas registradas

Hoje, graças à cultura de mercado, há uma grande profusão de marcas. Cada marca projeta e divulga um símbolo que a identifique para transmitir efetivamente a origem, qualidade e garantia do produto.

Os símbolos usados ​​por uma marca incluem:

  • logotipos,
  • logotipos inseridos em figuras geométricas,
  • símbolos de logotipos,
  • monogramas e
  • pictogramas.

Diferença entre símbolo, sinal e ícone

Os símbolos são representações visuais ou auditivas que não possuem uma relação de similaridade com a idéia de representar, mas uma relação conceitual e metafórica. Por exemplo, o símbolo anti-guerra conhecido como símbolo da paz, símbolo da justiça, corações como símbolo do amor, etc..

Os sinais são estritamente gráficos que delimitam idéias de maneira concreta, direta e imediata. Portanto, o sinal é utilitário e está sujeito a controle. Por exemplo, as palavras.

Um ícone é uma imagem que representa diretamente o significado a ser transmitido. Ou seja, a imagem que finge ser análoga ao seu significado. Por exemplo, emoticons, ícones de personagens sagrados etc..